As gorduras trans

As gorduras trans são prejudiciais à saúde, não são necessárias ao organismo, portanto deviam ser completamente excluídas da dieta.

Segundo as últimas recomendações nutricionais, a sua ingestão deverá ser a mais baixa possível, se possível nula. As gorduras hidrogenadas  aumentam o colesterol “mau” (LDL) e diminuem o colesterol” bom” (HDL) no sangue. Estudos dizem que consumir mais de cinco gramas por dia aumenta em 25% as possibilidades de sofrer infarto. Países como os Estados unidos têm uma ingestão de 7 g por dia, ao passo que no Japão é de apenas 1,6 por dia.

As gorduras trans

Como se formam as gorduras trans

A industria alimentar submete os óleos vegetais a um processo chamado hidrogenação, que consiste em transformar os óleos vegetais líquidos em gorduras sólidas, com o fim de prolongar a vida dos produtos que fabrica, tornando-os assim mais duradouros, saborosos, apetitosos e mais económicos. É desta forma, que os alimentos têm grandes prazos de validade.

O consumidor confiado que está ingerindo gordura vegetal, que, à primeira vista, não é perigosa para a saúde, engana-se porque estas gorduras ainda são piores que as gorduras saturadas, isto porque não só aumentam o colesterol mau como diminuem o bom, sendo portanto gorduras bastante perigosas para as artérias, favorecendo as doenças cardiovasculares, a diabetes, a obesidade, bem como todos os processos inflamatórios crónicos. De acordo com uma investigação americana as gorduras trans também promovem a acumulação de gordura abdominal.

Quando apareceram as gorduras trans?

Há muitos anos era comum o uso de gordura animal (manteiga, sebo, banha) pela Indústria Alimentar na fabricação dos seus produtos. Mas diversos estudos científicos revelaram que estas gorduras continham gorduras saturadas, causadoras do aumento do colesterol mau, o que favorecia a aterosclerose (entupimento das artérias) e risco das doenças cardiovasculares.

Sendo assim, a industria alimentar passou então, a usar os óleos vegetais, mas no seu estado sólido, isto é, parcialmente hidrogenados (gorduras trans). Naquela altura ainda não era conhecido os efeitos negativos das gorduras trans sobre a saúde.

Os alimentos que contêm este tipo de gorduras?

As gordura trans também conhecidas como gordura hidrogenada são encontradas principalmente em produtos industrializados, isto é, produtos embalados como bolachas, bolos, croisssants, margarinas, batatas fritas de pacote, aperitivos salgados e doces, snacks, gelados, massas de tarte, pipocas do microondas, biscoitos, alguns cereis do pequeno almoço, molhos, barras de gordura vegetal para cozinhar, refeições pré-confeccionadas, comida de fast food…

A maneira mais simples de reconhecer este tipo de gordura é ler atenciosamente os rótulos nutricionais das embalagens e, se na lista de ingredientes menciona as palavras gordura hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, significa que contêm gordura trans, sendo conveniente evitar ou limitar o seu consumo.

Em muitos países a preocupação em torno a estas gorduras obrigou os fabricantes a incluir nos rótulos a indicação, de se, as gorduras utilizadas são ou não trans, para alertar ao consumidor da sua presença. Além disso, em alguns países como Canada e Dinamarca a legislação obriga a redução destas gorduras por parte da Industria.

Em Portugal, não existe legislação a este respeito. No entanto, varias empresas, de forma voluntaria, começaram a publicar o teor em gorduras trans nos seus rótulos nutricionais e outras têm previsto eliminar, num futuro próximo, o conteúdo dos óleos parcialmente hidrogenados dos seus produtos.

Enquanto não forem tomadas medidas para abolir estas gorduras definitivamente dos alimentos, podemos pela nossa parte evitá-las, fazendo escolhas mais saudáveis, não só evitando os produtos que contenham o termo “parcialmente hidrogenado”, como consumir os alimentos frescos e naturais; esta é a certeza de que não estamos a ingerir este tipo de gorduras.

A associação Americana do coração (AHA), a maior sociedade médica do mundo, aconselha que a ingestão diária de gorduras trans não exceda o 1% do total das calorias, o que representa numa dieta de 2.000 calorias, um consumo de 2 g de gorduras trans por dia.

Gorduras trans na sua cozinha

Não é só através do processo de industrialização que se formam as gorduras trans, também em casa, as frituras mal feitas, sobretudo a elevadas temperaturas, podem transformar os óleos vegetais como o de girassol, de milho, de soja, de amendoim em gorduras trans. Quando estes óleos, ao serem sobreaquecidos, começam a deitar fumo é sinal de que se formam gorduras nocivas.

Por isso é recomendável, o uso do azeite para fritar, e que a temperatura não exceda os 180 graus, não devendo ser reutilizado mais de 3 ou 4 vezes o mesmo azeite. O óleo de coco é também muito resistente ao calor, sendo também adequado para fritar.

Convém recordar que numa dieta de emagrecimento os fritos são desaconselhados por serem muito calóricos, o tradicional azeite é a gordura por excelência numa dieta saudável, use-o com moderação.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Faça um comentário